Cirurgia Plástica – a Arte de Devolver Autoestima.

No dia 07 de dezembro comemora-se o Dia do Cirurgião Plástico; o responsável por transformar desejos em realidade através da habilidade, do conhecimento e do olhar minucioso sobre aquilo que nos incomoda em nosso corpo. Quem não quer ser belo ou melhorar a aparência para sentir-se bem consigo mesmo, confiante, desejado?

autoestima

Tal data refere-se à fundação da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) em 1948. O objetivo da mesma é enfatizar a importância destes profissionais não só na promoção da saúde e bem-estar da população, como também na arte de devolver a autoestima aos seus pacientes. 

É fato que, assim como em qualquer procedimento cirúrgico, a cirurgia plástica gera riscos. Por isso, exige cuidado e seriedade, tanto por parte do cirurgião como do paciente, no momento da tomada de decisão pela cirurgia . Nesse sentido, a data também alerta sobre a importância de escolher um bom profissional, de preferência associado à SBCP. Isso porque, um resultado insatisfatório pode causar danos irreparáveis, tanto para a estética, quanto para a saúde física e mental do paciente.

Como Surgiu a Cirurgia Plástica?

A palavra “plástica” deriva do termo grego “plastikos”, que significa moldar ou modelar. O termo foi escolhido porque esta ciência tem como objetivo manipular e mover tecidos do corpo para um fim específico. Em termos gerais, a cirurgia plástica pode ser dividida em reconstrutiva e estética, que podem ser divididas em diversas outras especialidades.

De acordo com a SBCP,  a cirurgia plástica remonta às mais antigas descobertas da medicina. Existem relatos de que muito tempo antes de Cristo, na Índia, já se praticava a plástica reconstrutora de nariz. Entretanto, a literatura médica atribui as primeiras referências científicas à técnica, então aplicada pelo cirurgião Susruta Samhita, ao ano de 1597, quando o italiano Tagliacozzi as publicou, após a descoberta de antigos papiros que relataram, com detalhes, tal prática .

rinoplastia

A Rinoplastia (Plástica de Nariz), conforme apontam os estudos, seria a “mãe” da cirurgia plástica. Isso deve-se ao fato de que a amputação do nariz era a penalidade atribuída como punição aos condenados em épocas passadas.

Consolidação da Cirurgia Plástica

no Pós-Guerra

Ainda que os registros antigos apontem a tempos remotos o surgimento da cirurgia plástica, como especialidade médica, ela só se consolidou após o advento da anestesia e da descoberta dos antibióticos no período entre e pós-guerras (1914-1945). Esta foi a época na qual a medicina obteve avanços notáveis na tentativa de minimizar marcas e feridas dos soldados. 

segunda guerra mundial

Sir Harold Gilles (1882-1960), considerado o ‘pai’ da cirurgia plástica moderna, percebeu que os ferimentos de guerra precisavam ser fechados com tecido de outros lugares do corpo para que se reestabelecesse as funcionalidades corporais e tornasse a aparência do local mais ‘normal’. Assim, os soldados poderiam retomar suas vidas com menos traumas.

Para isso, em seus procedimentos, o médico utilizou enxertos e retalhos de pele. Como exemplo clássico destas técnicas tem-se os ferimentos faciais graves causados pela guerra de trincheira. Os mesmos eram fechados com pele dos braços ou das pernas. Portanto, neste período, a cirurgia plástica era vista basicamente como reconstrutora; o que pode ser entendido, na atualidade, como cirurgia reparadora.

Evolução da Cirurgia Plástica Reparadora para Estética

Inicialmente, conforme os estudos apontaram, a cirurgia plástica tinha finalidade exclusivamente reparadora. A cirurgia estética, por sua vez, é citada como evolução da plástica reconstrutiva. Tal fato se deve à percepção dos cirurgiões de que os tecidos corporais, assim como poderiam ser manipulados para curar feridas devastadoras da guerra e restaurar uma aparência ‘normal’, também poderiam servir para manipular tecidos em pessoas que buscassem uma aparência melhor, independente de traumas. Assim, surgiu a cirurgia plástica estética.

cirurgia plástica estética

No entanto, ao longo do tempo, a cirurgia plástica estética resistiu ao preconceito, principalmente em razão de não envolver procedimentos de cura. Hoje, tornou-se uma das especialidades médicas mais procuradas. No entanto, analisando os efeitos práticos deste tipo de procedimento, fica difícil estabelecer uma divisão entre o que é cirurgia estética ou reparadora. Quem realiza uma cirurgia plástica estética não tem outro objetivo senão reparar ou reconstruir uma parte de seu corpo com a qual se sente incomodada e que, portanto, precisa ser reparada.

A Cirurgia Plástica no Brasil

O estudo da cirurgia plástica no Brasil nasceu de duas grandes escolas: a anatômica (1808) e a cirúrgica no início do século 19. Esses núcleos foram fundamentais para disseminar pesquisas científicas, técnicas e práticas clínicas entre os médicos. Por outro lado, a criação da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), em 1948, possibilitou a ampliação da área da cirurgia plástica nacional, inclusive dividindo-as em especialidades.

De acordo com estudo que reuniu dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) e Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) , o Brasil ocupa o primeiro lugar no ranking mundial de cirurgias plásticas, com mais de 1,5 milhão de operações realizadas por ano, ultrapassando até mesmo os Estados Unidos. Tal posição deve-se ao alto nível das técnicas realizadas por nossos profissionais. Não por acaso, a importância da SBCP na formação dos mesmos. Por isso, buscar um cirurgião capacitado e membro desta sociedade é fundamental quando se decide pela cirurgia plástica.

Embora a maior parte das intervenções cirúrgicas, aqui no Brasil, ainda sejam procedimentos estéticos, percebe-se um aumento significativo da busca por cirurgias plásticas reparadoras. Diferentemente de quando este tipo de procedimento surgiu no pós-guerra, hoje, o mesmo compreende reparar danos causados por acidentes, sequelas estéticas causadas por doenças ou procedimentos clínicos/ cirúrgicos, ou ainda, corrigir deformidades congênitas. Dessa forma, devolve-se ao paciente o bem-estar, a autoestima; possibilita-se melhor qualidade de vida.

Gostou das nossas Notícias?

Compartilhe essa página nas suas redes

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no twitter
Twitter
Iniciar Conversa
Olá, como podemos lhe ajudar?